URAP > Documentos

Apelo dologotipo urap.jpg Núcleo da URAP de Santa Iria da Azóia

 

A URAP tem como um dos objectivos "contribuir activamente para a defesa dos princípios democráticos da paz e de cooperação entre todos os povos do mundo" (Estatutos da URAP).

Infelizmente, não é este o caminho que vemos abrir no mundo, e particularmente na Europa. A par com a acelerada degradação da situação social e económica global, verificamos com preocupação que a NATO vem fomentando um clima de crispação e de ameaça recorrente, cujos factores principais são a crescente militarização das relações internacionais com as consequentes campanhas de ameaças e guerras contra os povos, (com as consequências já conhecidas no Iraque e Afeganistão). A nova corrida aos armamentos, com as brutais despesas que acarretam ( um dos factores da crise actual), a multiplicação de bases militares em todo o mundo por parte dos Estados Unidos, a pretexto do combate ao terrorismo, mais não são do que sintomas assustadores do que se prepara à custa do sacrifício do bem-estar dos povos.

São os interesses das indústrias do armamento (grande parte nos EUA), e o controlo das fontes de matérias-primas que guiam, de facto, as decisões dos governos e da NATO.

 

POR ISSO DIZEMOS NÃO A MAIS COMPROMISSOS DE PORTUGAL COM OS PLANOS DA NATO!

O empenho das autoridades portuguesas na realização,no nosso país, da cimeira da NATO, para além dos encargos que acarreta para o povo português, colide frontalmente com os direitos fundamentais contidos na Carta das Nações Unidas e na Constituição da República Portuguesa.

A Nato não é bem vinda a Portugal. O nosso país não se pode envolver em novas aventuras belicistas. A participação de Portugal na guerra no Afeganistão é errada, comporta riscos desnecessários e agrava a despesa do estado.

Portugal tem todo o interesse em estabelecer relações pacíficas com todos os estados, na base da mútua vantagem e não precisa de se subordinar às estratégias agressivas da NATO.

Não nos podemos esquecer que a NATO deu todo o apoio ao regime fascista português,( que foi um dos seus fundadores), e apoiou a guerra colonial onde pereceram milhares de portugueses.

Por estas razões, damos todo o apoio à realização da MANIFESTAÇÃO, NO PRÓXIMO DIA 20 DE NOVEMBRO, sob o lema PAZ SIM! NATO NÃO!, a decorrer entre o Marquês de Pombal e os Restauradores.


APELAMOS À PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DE SANTA IRIA DA AZÓIA!

Print Friendly, PDF & Email

O falecimento do camarada Michel Vanderborght, no passado dia 12 de Setembro, constituiu uma perda que todos os antifascistas sentiram, tal como todos os que aspiram à concretização plena dos ideais do progresso e da justiça social.

Nos mais diversos planos foram várias as mensagens de condolências que chegaram ao conhecimento da família e da organização antifascista belga, tal como junto da Federação Internacional de Resistentes - Associação Antifascista (FIR), de que era o actual presidente do Comité Executivo.

Por parte da URAP, foi prontamente enviada uma nota de condolências à família, à organização antifascista belga, à FIR, e à Embaixada da Bélgica em Portugal em nome do seu Conselho Directivo, do seu coordenador e do seu membro no Comité Executivo da FIR, tal como uma nota de pesar que foi colocada no site. Também foi divulgada prontamente uma nota de imprensa, tendo o jornal Avante! noticiado com destaque o falecimento de Michel Vanderborght na sua edição de 16 de Setembro. A nível internacional também o jornal alemão Junge Welt noticiou na sua edição de 16 de Setembro a morte do presidente da FIR.

Mas também no contexto internacional as mensagens de condolências foram muitas: desde logo a Federação Mundial da Juventude Democrática, de que Michel Vanderborght foi presidente e desde a primeira hora assistiu a todos os Festivais Mundiais da Juventude e dos Estudantes, tendo estado presente na reunião fundadora realizada em Londres em 1945.

Também o Conselho Mundial da Paz expressou as suas sentidas condolências pelo falecimento de Michel Vanderborght, com um passado muito rico igualmente no movimento da paz na Bélgica, tendo sido delegado à assembleia fundadora deste organismo internacional.

Muitas e diversas foram também as mensagens chegadas ao conhecimento da FIR e provenientes das organizações associadas e de que são exemplo as seguintes: Itália (ANPI); Holanda (AFVN); França (ANCAC); Bulgária (BAU); Sérvia (SUBNOR).

Na cerimónia fúnebre realizada em Bruxelas em 18 de Setembro, o Comité Executivo da FIR, pela voz do seu secretário-geral, Ulrich Schneider, expressou igualmente as suas condolências e a memória que nunca se esquecerá de um ser humano, camarada, combatente e companheiro que constitui e constituirá sempre um exemplo de abnegação para as novas gerações pela verticalidade e coragem na luta pela paz, progresso, justiça social, solidariedade e cooperação entre os povos do mundo.

Print Friendly, PDF & Email

Segue-nos no...

logo facebook

Boletim

foto boletim

Faz-te sócio

ficha inscricao 2021Inscreve-te e actualiza a tua quota
Sabe como

Quem Somos

logotipo urap

A URAP foi fundada a 30 de Abril de 1976, reunindo nas suas fileiras um largo núcleo de antifascistas com intervenção destacada durante a ditadura fascista. Mas a sua luta antifascista vem de mais longe.
Ler mais...
União de Resistentes Antifascistas Portugueses - Av. João Paulo II, lote 540 – 2D Loja 2, Bairro do Condado, Marvila,1950-157, Lisboa